Cármen Lúcia critica proposta de reajuste a ministros da Corte

Foto: Nelson Jr./SCO/STF
Foto: Nelson Jr./SCO/STF

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, criticou nesta quinta-feira (9) a decisão da Corte de incluir no orçamento do tribunal para 2019 a previsão de reajuste salarial de 16,38% para os ministros.

A decisão foi tomada na noite desta terça-feira (8), em sessão administrativa do STF, por decisão da maioria dos ministros – foram 7 votos a 4. A ministra não mencionou diretamente o episódio, mas deixou claro seu descontentamento.

Clique aqui para fazer parte do grupo de WhatsApp da 94,3FM

“Ontem perdi. Provavelmente hoje perco de novo. Mas eu não queria estar do lado dos vencedores. O que venceram e como venceram não era o que eu queria mesmo e continuo não convencida que era o melhor para o Brasil”, afirmou Cármen.

A presidente falou no enceramento do seminário “Direitos Humanos nos 30 anos da Constituição Federal e nos 70 anos da Declaração Universal”, promovido pelo Ministério dos Direitos Humanos em parceria com o Centro Universitário de Brasília.

Também participaram do evento nesta manhã a procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, o ministro dos Direitos Humanos, Gustavo do Vale Rocha e a presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Christianne Dias Ferreira.

Custo do reajuste

Atualmente, os ministros recebem R$ 33,7 mil. No ano que vem, o contracheque poderá ultrapassar R$ 39 mil. O aumento ainda depende de aprovação do Congresso e sanção do presidente da República.

Segundo estimativa feita pelas consultorias da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, a proposta de reajuste do salário dos ministros do STF teria um impacto de R$ 4 bilhões nas contas públicas, considerando o Executivo, Legislativo, Ministério Público e também os estados da federação. As informações são do G1.