Corpo de Bombeiros Militar trabalha para zerar mortes por afogamentos em SC

bandeiras_dos_salva-vidas_20171220_1039253628

Durante todo o ano e, em especial na temporada de verão, o Corpo de Bombeiros Militar atua na prevenção de acidentes e afogamentos. Um levantamento realizado pelo Centro de Comunicação Social do Corpo de Bombeiros Militar aponta que o número de afogamentos seguidos de mortes em Santa Catarina durante o Carnaval vem diminuindo. Em 2016, quando o Carnaval foi entre os dias 5 e 10 de fevereiro, foram registrados três óbitos por afogamentos em praias e balneários catarinenses. Enquanto no Carnaval passado, entre os dias 24 de fevereiro e 1° de março, foi registrado um caso de afogamento seguido de morte, em todo o Estado.

Ainda no comparativo, que levou em consideração todas as ocorrências de praia registradas pelos guarda-vidas durante os carnavais de 2016 e 2017, o número de pessoas salvas por terem caído em correntes de retorno foi de 302 pessoas em 2016 e 275 salvamentos no Carnaval passado. O número de prevenções, ou seja, de orientações ou advertências de guarda-vidas para que as pessoas saíssem de áreas de risco continuou elevado, na casa de 300 mil prevenções. Importante frisar, que o número de prevenção é estimado na quantidade de pessoas ou vezes em que os guarda-vidas intervem orientando ou chamando atenção de pessoas, no mar, na areia das praias ou no entorno. Por isso, a quantidade de pessoas nas praias pode interferir diretamente nesse cálculo. Mas, tudo para evitar acidentes e afogamentos.

Apesar da queda do registro de ocorrências graves nas praias na comparação entre os carnavais, nesse período de festas as ocorrências tendem a ser em maior número, quando comparadas com períodos de normalidade. Para o comandante-geral, Coronel BM Onir Mocellin, que atua há mais de 30 anos durante a temporada de verão no litoral e regiões de balneários do estado, dificilmente o número de afogamentos é zerado durante o Carnaval. “Isso acontece especialmente em áreas não monitoradas por guarda-vidas, quando as pessoas acabam exagerando na quantidade de bebida alcoólica e vão se banhar depois,” diz o coronel.