População começa a conhecer projeto de combate ao maruim

Imagem ilustrativa: es.olx.com.br
Imagem ilustrativa: es.olx.com.br

Quem mora na região do Vale do Itapocu já deve ter sentido algum desconforto com as picadas do maruim, inseto minúsculo, mas que deixa boas marcas. O maruim não vive apenas em zonas rurais: moradores das áreas centrais da região também convivem com esse problema, porém as pesquisas mostram que o mosquito coloca os ovos em locais específicos, principalmente em áreas rurais, este é o foco do combate. O Laboratório de Inovação, desenvolvido através da parceria entre a Associação dos Municípios do Vale do Itapocu (AMVALI) e o Consórcio Intermunicipal de Gestão Pública do Vale do Itapocu (CIGAMVALI), criou a formula de um ativo biológico que promete eliminar os focos de proliferação do inseto. Este é o primeiro projeto desenvolvido pelo Laboratório de Inovação e conta com o financiamento de oito municípios: Jaraguá do Sul, Guaramirim, Barra Velha, Schroeder, Massaranduba, Corupá, Luiz Alves e São João do Itaperiú. O projeto, iniciou oficialmente em janeiro de 2019, e segue em ritmo avançado. Com treze anos de pesquisa, que culminou na tese de doutorado do cientista Luiz Américo, soma-se a décadas de pesquisa de outro cientista renomado: Gilmar Erzinger, PHD, especialista na área e que já coleciona diversos artigos internacionais e que assinará a produção Controlador Bioativo do Maruim (CBO). “A formulação apresentada será bioativa, e não terá nenhuma interferência no meio ambiente ou nas culturas rurais onde será aplicada”, explica o Dr. Gilmar, responsável técnico do laboratório. Para o segundo semestre, os trabalhos estão concentrados na montagem do laboratório, instalado junto à Secretaria Municipal de Agricultura de Jaraguá do Sul, que contará com linha de produção do CBO, laboratório de análises e controle de pesquisas. “O laboratório será responsável pela preparação dos insumos, manuais de modos de aplicação e estabilização da formulação. Com capacidade de produção de até 100 mil litros por mês, o insumo será suficiente para suprir a demanda dos oito municípios envolvidos no projeto. O envase e a distribuição será realizada pela AMVALI, em parceria com as secretarias municipais de agricultura”, comenta a engenheira química Débora Feder – Coordenadora de Projetos do CIGAMVALI. Entre o fim deste mês de julho e início de agosto, iniciam os testes em campo com a aplicação do produto biológico em propriedades na região da localidade de Garibaldi.

 

Reuniões

A partir desta quarta-feira(10), a população poderá conhecer mais sobre o “Projeto Maruim”, através de reuniões públicas. O primeiro encontro será em Jaraguá do Sul. A pesquisa apontou que o maruim se reproduz em ambientes alcalinos, encontrados facilmente em materiais orgânicos em decomposição, como por exemplo, caules de bananeira, esterco da produção de gado, suínos e aves, produção de hortaliças entre outros, por isso, cada propriedade terá um formato diferente de aplicação do ativo, de acordo com a cultura. “Os maiores facilitadores do projeto de controle do maruim são os produtores rurais que serão os responsáveis pela aplicação do insumo. Cada propriedade passará por um treinamento e terá o acompanhamento do laboratório”. Quanto a distribuição do produto não terá custo para os produtores rurais, e a população em geral não precisa se preocupar em aplicar o produto, porque o  foco serão as propriedades rurais, onde acontece a reprodução, no meio rural.

Cronograma de reuniões nas Câmaras Municipais

10/7 (quarta-feira) – Jaraguá do Sul – 18h

15/7 (segunda-feira) – Guaramirim – 18h

17/7 (quarta-feira) – Barra Velha – 18h

22/7 (segunda-feira) – Schroeder – 19h20min

24/7 (quarta-feira) – Massaranduba – 18h

25/7 (quinta-feira) – Corupá – 18h

30/7 (terça-feira) – Luiz Alves – 18h

31/7 (quarta-feira) – São João do Itaperiú – 18h

Fonte: Amvali/RBN94.3