Jovem é assassinado por engano dentro de hospital no RS

xgabriel-minossi.jpg.pagespeed.ic.bMlygM1OR1

Foto: Facebook/Reprodução

O jovem Gabriel Minossi, de 19 anos, estava internado no Hospital Centenário, em São Leopoldo (RS), e receberia alta nesta quinta-feira, mas acabou sendo morto por uma quadrilha que buscava executar outro homem na madrugada desta sexta-feira. Dois dias antes, o pai da vítima, Marcelo Minossi, publicou um emocionado desabafo no Facebook sobre a apreensão que sentiu durante a semana que o filho estava se recuperando de um acidente de trânsido sofrido no dia 1º e se mostrou esperançoso com a melhora do estado de saúde dele.

“Ver teu filho numa cama de hospital, correndo o risco de morte deixa qualquer pai e mãe com o coração em pedaços…”, escreveu Marcelo na rede social, dois dias antes do trágico engano que tirou a vida do jovem. “Todos esses dias que fiquei no hospital cuidando dele…ver ele com dor, a única coisa que vinha na cabeça e que tu queria trocar de lugar com ele, pra não ver teu filho assim…”.

Quatro homens fortemente armados invadiram o hospital por volta das 4h15 após renderem os seguranças. O alvo deles era um criminoso de 28 anos que possui passagens por dois homicídios e tráfico de drogas. Outras duas pessoas ficaram feridas, de acordo com a direção da unidade de saúde.

De acordo com o delegado Alexandre Quintão, da Delegacia de Polícia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP) da cidade, dois membros da quadrilha ficaram no lado de fora do hospital, enquanto os outros dois entraram e efetuaram 29 disparos na direção de Gabriel, sem verificarem se estavam executando o alvo pretendido.

A perícia da Polícia Civil do Rio Grande do Sul ainda vai determinar quantos tiros acertaram o corpo da vítima, que iria para a casa da mãe, em Santa Catarina, após receber alta.

“Lá será bem cuidado tanto pelo serviço de saúde, e nada melhor que ficar nos cuidados desta grande mãezona Indianara Martins Vilas Boas!!”, afirmou Marcelo na publicação. “Gabriel nunca deu sustos de doença ou hospital quando era pequeno, foi a primeira vez que acontece algo de tamanha gravidade”.

Gabriel não tinha antecedentes criminais e sua alta estava prevista para esta quinta-feira, mas os médicos optaram por deixá-lo mais um dia internado porque ele estava com pressão alta.

Em nota, a direção do Hospital Centenário lamentou “profundamente o desfecho deste episódio, que vitimou um paciente internado na instituição, e feriu outras duas pessoas”. A direção pediu ao 25º Batalhão da Polícia Militar que reforce a escola na unidade.

Hospital pede à PM reforço na segurança

O alvo dos bandidos era um homem, cuja identidade não foi revelada, que saiu da cadeia há menos de um mês e vinha sofrendo ameaças de morte. Ele estava internado por ter sido baleado, segundo o hospital. Quintão afirmou que as pessoas que ele matou também tinham envolvimento em atos ilícitos.

A Procuradoria Jurídica do Hospital, já sabendo das ameaças ao paciente, tinha pedido que a PM reforçasse a segurança, mas a direção afirmou que essa solicitação não fora atendida.

“Por medida de segurança interna, o paciente foi transferido de leito para um quarto de isolamento. Pelo mesmo motivo, o leito ocupado por este paciente foi bloqueado não sendo ocupado por nenhum outro paciente”, informou a direção em um comunicado.

De acordo com o delegado, o hospital já forneceu as imagens de câmeras de segurança que captaram o movimento dos criminosos. Elas serão analisadas pelos investigadores, que realizam diligências para identificarem os suspeitos envolvidos na morte do paciente.

— Os funcionários ouviram os disparos, mas quando chegaram ao quarto do paciente, os criminosos já tinham fugido — afirmou Quintão, acrescentando que testemunhas já estão sendo ouvidas na delegacia.

Leia abaixo, na íntegra, na nota do Hospital Centenário:

“Em relação ao fato ocorrido na madrugada desta sexta-feira, dia 9 de novembro, entraram no Hospital, executando um paciente e ferindo outras duas pessoas, a Direção do Hospital Centenário esclarece:

Na quinta-feira, ao tomar conhecimento do ingresso de paciente vítima de arma de fogo, com informações de ameaças à sua integridade física, a Procuradoria Jurídica do Hospital emitiu ofício (nº 216/208) ao 25º Batalhão da Brigada Militar, solicitando escolta a esse paciente, o que não foi atendido.

Por medida de segurança interna, o paciente foi transferido de leito para um quarto de isolamento. Pelo mesmo motivo, o leito ocupado por este paciente foi bloqueado não sendo ocupado por nenhum outro paciente.

Dado à gravidade do ocorrido, no início da manhã, foi emitido novo ofício (nº 208/2018), ao 25º Batalhão, solicitando reforço de escolta.

A Direção do Hospital Centenário lamenta profundamente o desfecho deste episódio, que vitimou um paciente internado na instituição, e feriu outras duas pessoas. Da mesma forma, reitera as medidas de segurança, e, tão logo seja possível, serão restabelecidos os fluxos de visitas e de acompanhantes”.

Fonte: Jornal Extra