Filas para cirurgias, utilidade de parque e tratamento de lixo foram assuntos tratados na Câmara de Jaraguá

unnamed (4)

Estes foram alguns dos assuntos abordados na sessão ordinária desta quinta-feira (1°) na Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul.

FILA PARA CIRURGIAS

Jaime Negherbon comentou o grande número de pessoas que estão na fila para a realização de cirurgias no SUS. Segundo o vereador, mais setecentas pessoas estariam esperando por uma cirurgia no Sistema Único de Saúde do município. “Eu conversei com o pessoal da Secretaria de Saúde para buscarmos uma solução para essa situação. Vamos fazer um estudo para ver quanto os governos Federal e Estadual têm de débito com nossos hospitais, e fazer uma moção de apelo para que mandem essa verba”, esclareceu.

NOTAS ELETRÔNICAS

Jackson de Ávila parabenizou o ex-vereador José de Ávila, seu pai, pela indicação feita em 2013 para que a Prefeitura adotasse a nota fiscal eletrônica. Já naquele período, conta Jackson, havia munícipes querendo emitir notas fiscais e pagar os impostos ao município, mas esbarravam na burocracia e na demora para a obtenção das notas.

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO

Anderson Kassner parabenizou a iniciativa do Rotary Club de Jaraguá do Sul pelo lançamento de uma campanha social. “Domingo passado o Rotary lançou o Núcleo Rotary de Desenvolvimento Comunitário. Começou no bairro Rio da Luz e vai ajudar a desenvolver a economia, a saúde e o lazer de muita gente da nossa comunidade. Se o Rotary, o Poder Público e a comunidade estiverem juntos, isso vai dar muito certo”, avisou.

MELHORIAS EM CEMITÉRIOS

Arlindo Rincos comentou suas indicações 1029 e 1030 de 2017 que pedem para o Executivo realizar obras de manutenção nos cemitérios dos bairros Jaraguá 99 e Nereu Ramos. Segundo o parlamentar, há muito mato nos locais, além de calçadas e asfalto precários.

MAIS UTILIDADE PARA PARQUE DE EVENTOS

Jackson de Ávila também foi autor de uma indicação para que a utilização do Parque de Eventos da cidade seja repensada. Para ele, a melhor forma de aproveitar o local seria abrir para que empresários jaraguaenses possam utilizar as áreas para comércios como restaurante, bares e outros. “Como está hoje, o parque está gerando um custo ao município que pode ser eliminado com tais medidas. O parque precisa ser autossustentável”, finalizou.

DESTINAÇÃO DO LIXO DA CIDADE

Marcelindo Gruner comentou o vídeo do Escritório de Cinema que trata do lixo e o destino dele em Jaraguá do sul. O vereador parabenizou os produtores do conteúdo e advertiu que esta é uma discussão que precisa estar presente no Legislativo. Gruner ainda revelou ter intenção de fazer uma moção de apelo para que o executivo faça um projeto de gestão do lixo da cidade. “Não podemos continuar com esse desperdício, gastando 18 milhões de reais por ano para tratar esse lixo, se podemos reciclar e, de quebra, criar empregos no município”, afirmou.