Viaduto que desabou em Brasília ficará interditado até 19 de fevereiro

ar

Parte do Eixão, principal via expressa que liga as asas Sul e Norte de Brasília, desabou no final da manhã desta terça-feira. O trecho da via que fica em frente ao Setor Bancário Sul, na região central da cidade, e a pouco mais de um quilômetros do Congresso Nacional, caiu sobre quatro veículos que estavam estacionados. Um restaurante que fica na Galeria dos Estados, embaixo do viaduto, também foi atingido.

Um trabalho de varredura feito com equipes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil, com o apoio de cães farejadores, não identificou vítimas no local. A conclusão da varredura dependerá, no entanto, da remoção dos escombros. Parte da estrutura que desabou corresponde à metade das três faixas da via.
De acordo com estudos, elaborados pelo Sindicato de Engenharia e Arquitetura (Sinaenco), em 2011 e em 2013, através de auditoria do Tribunal de Contas do Distrito Federal, o viaduto sobre a Galeria dos Estados deveria ter passado por manutenção há pelo menos sete anos, necessitando de “intervenção urgente face ao alto volume de veículos que ali trafega”.

Em uma rápida visita pelo local, minutos depois do desabamento, o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rolemberg (PSB), informou que vários viadutos da cidade passaram por uma inspeção recente do Governo de Brasília. Aquele, porém, não foi o caso.

“São viadutos antigos. Desde o início do nosso governo nós fizemos manutenção em oito viadutos. Seis deles receberam reforço estrutural. Infelizmente, este não recebeu. E temos que ver que providências tomar a partir de agora”.

O governador saiu do local vaiado por populares que acompanhavam em uma área isolada o trabalho do Corpo de Bombeiros.

O bancário Lindenberg Igor, de 50 anos, teve o carro destruído pelo desabamento. Ele conta que costuma parar no local há mais de dez anos e diz que a estrutura da região já apresentava falhas.

“Mesmo para um leigo, podemos detectar visualmente muitas falhas estruturais. Quando chove, por exemplo, a água cai em um volume muito grande de cima do viaduto para os carros que estão embaixo”.

Linderberg ainda comentou que por pouco não foi uma vítima do incidente.

“Cinco minutos antes eu tinha deixado minhas coisas no carro e tinha ido almoçar. Enquanto estava almoçando, ouvi o barulho e voltei. Quando voltei já vi a estrutura em cima do carro. Estava literalmente toda a estrutura em cima do meu carro. É terrível, porque eu tinha acabado de deixar as coisas e tinha saído”.

O trecho onde ocorreu o acidente ficará interditado até o dia 19 de fevereiro. Durante esse período, serão realizadas avaliações técnicas e periciais sobre as causas do acidente.