Ainda há catarinenses sem energia elétrica. Difícil acesso é o principal desafio


A passagem do chamado ciclone bomba, no dia 30 de junho, deixou um rastro de destruição em praticamente todas as regiões de Santa Catarina. Ventos que ultrapassaram os 100km/h derrubando árvores, postes, cabos e provocaram o maior dano ao sistema elétrico catarinense em mais de 60 anos. 

No pico do evento climático, cerca de 1,5 milhão de unidades consumidoras (UCs) ficaram sem energia elétrica na área de concessão da Celesc, mas graças ao trabalho heroico das 300 equipes de eletricistas da empresa e terceirizados, já na manhã seguinte o fornecimento de energia havia sido restabelecido a metade dos clientes afetados

O Norte catarinense foi uma das áreas mais atingidas. Na região de Mafra, por exemplo, a Celesc está atuando com cerca de 40 equipes de campo, inclusive com reforço de outras regiões do estado. O maior desafio enfrentado, nesse momento, são as condições de acesso dos profissionais, do maquinário e das estruturas necessárias para recompor o sistema elétrico. 

São 110 horas de trabalho sem descanso, enfrentando destroços, água, lama e condições climáticas adversas, mas o comprometimento desses profissionais não vai parar até que os 0,71% dos catarinenses que ainda estão sem luz por conta dos estragos do ciclone tenham energia novamente. 

Para isso, é fundamental que a população acolha o eletricista que está trabalhando pela sua comunidade. Evite atrasos nos atendimentos e nos ajude a vencer mais essa!