Cidasc alerta sobre sementes misteriosas da China

Pacote pode estar contaminado (Foto: Divulgação)

A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) emitiu alerta sobre pacotes com sementes originárias de outros países. A orientação da Cidasc é para que, em caso de recebimento, a embalagem não seja aberta. As sementes não devem ser plantadas e nem jogadas no lixo. É necessário que o pacote seja entregue em um escritório da Cidasc mais próximo ou ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Apesar de parecerem inofensivas, estas sementes podem estar contaminadas e disseminar pragas e doenças, causando prejuízos econômicos e danos do ponto de vista da defesa sanitária vegetal.


A Cidasc mantém os telefones 0800-644-6510 ou (48) 3665 7300 (WhatsApp), do Departamento Estadual de Defesa Sanitária Vegetal do Estado para mais orientações. Cabe à Cidasc a defesa sanitária vegetal por meio de fiscalização da produção e do comércio de plantas, partes de vegetais ou produtos desta origem, com potencial veiculação de pragas.


O primeiro caso de recebimento deste tipo de embalagem em Santa Catarina foi registrado em Jaraguá do Sul, recentemente. A pessoa realizou uma compra pela Internet e, ao receber a encomenda, havia outro pacote contendo as sementes clandestinas, devidamente recolhidas pela Cidasc e encaminhadas ao Ministério.


Vários países Europa e também dos Estados Unidos têm registrado recebimentos de sementes de países asiáticos. O Mapa, órgão que fiscaliza a entrada de material de multiplicação vegetal sem importação autorizada no Brasil, também já fez um alerta aos cidadãos para que tenham cuidado e não abram pacotes e encomendas que chegarem às suas residências, sem conhecimento. De acordo com a legislação brasileira, a importação de material de multiplicação vegetal, sejam sementes ou mudas, deve ter autorização do Mapa, mediante solicitação do interessado pela compra.


Riscos da utilização de sementes ilegais


– Plantas Daninhas: introdução de alguma espécie vegetal sem ocorrência no Brasil, o que pode dificultar o controle da mesma e/ou aumentar o uso de agrotóxicos, afetando a produtividade agrícola e pecuária, além dos riscos ao ambiente;
– Insetos: sementes podem ser disseminadoras de insetos que provoquem pragas, comprometendo a produtividade de lavouras e aumentando o custo da produção;
– Fungos, bactérias e vírus: sementes sem procedência podem vir contaminadas e tornam-se vetores de grandes epidemias de doenças no campo e, consequentemente, a perda de produtividade e o aumento do custo da produção.

Engenheira agrônoma e gestora da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal da Cidasc, Fabiane dos Santos

Fonte: Cidasc/Prefeitura Jaraguá do Sul/RBN94,3