Espécie de cágado dos EUA é encontrada em Jaraguá do Sul


Um tigre-d’água-de-orelha-vermelha, espécie de cágado naturalmente encontrada nos Estados Unidos, foi localizado em uma casa de Jaraguá do Sul, no Norte catarinense. O animal foi resgatado na sexta-feira (29) e enviado ao Centro de Triagem de Animais Silvestres, em Florianópolis.

Segundo o biólogo Christian Raboch, por ser uma espécie exótica, o réptil pode causar desequilíbrio ecológico caso se reproduza na região. A suspeita é de que o cágado encontrado na cidade tenha sido solto por algum morador que o comprou.

“São espécies que as pessoas compram bem pequenas, do tamanho de uma caixa de fósforo. Só que o animal cresce, faz sujeira, a pessoa tem que comprar água, tem que alimentar”, afirmou.

A Fundação Jaraguaense de Meio Ambiente (Fujama) realizou o resgate do animal após ser chamado pela moradora de uma casa que o encontrou. “Ela ligou para nós alegando que era um animal que ela não encontrava naturalmente por ali e que sabia que poderia ser exótico”, explicou.

Segundo o biólogo, duas espécies de tigre-d’água são encontradas no Brasil. Uma delas, a que possui orelha amarela, é nativa da Argentina e do Rio Grande do Sul. Já a de orelha vermelha, também tem origem nos Estados Unidos.

“Essas duas espécies o pessoal acaba vendendo em agropecuárias e o pessoal acaba comprando. Mas se for para comprar algum animal desses, tem que comprar de algum criadouro legalizado, senão é considerado animal ilegal”, alertou.

Animais não podem ser soltos

Como o réptil da espécie encontrado na cidade catarinense cresce bastante em relação ao tamanho de filhote, muitas pessoas que adquirem o animal quando pequeno acabam o soltando quando ele cresce. Esse hábito, porém, pode resultar em problemas ao meio ambiente.

“Isso acaba causando um desequilíbrio ecológico porque essa espécie não ocorre naturalmente aqui e é uma espécie que também se alimenta de outros animais”, disse. Por essa razão, esse réptil não pode ser solto na natureza em Santa Catarina.

“Quando a gente resgata uma espécie de tigre d’água, independente se é orelha amarela ou vermelha, a gente não pode soltar. A gente pega esses animais, encaminha para o Centro de Triagem de Animais Silvestres em Florianópolis. Lá, dependendo da espécie, eles encaminham para zoológicos ou criadouros. Se for a espécie de orelha amarela, podem encaminhar para o Rio Grande do Sul para fazer pontos de soltura”.

A espécie é onívora, ou seja, pode se alimentar tanto de carnes quando de vegetais. Geralmente as presas são peixes e anfíbios.

Fonte: G1