Três anos após construir sede de 4,4 milhões, ISSEM restringe consultas e exames para conter despesas


Uma portaria publicada pelo presidente do ISSEM, com data de 04 de outubro e divulgada no dia seguinte, suspendeu parcialmente os atendimentos e procedimentos. De acordo com o documento, o objetivo é contenção de despesas. Veja o documento no final da matéria.

As internações e procedimentos médicos ficarão restritas para casos de urgência, emergência e partos. As consultas serão limitadas a uma por mês por beneficiário que também somente poderá fazer um exame a cada três meses, por rol de cobertura. Os exames de imagem somente serão realizados em casos de urgência e emergência. E as terapias de fonoaudiologia e ocupacionais estão suspensas, assim como o atendimento Covid.

O jornalismo da RBN não conseguiu contato com o Presidente do ISSEM para as explicações necessárias sobre a medida.

SINDICATO

No Sindicato dos Servidores Municipais, SINSEP, a reação foi imediata. O Presidente Luiz César Schorner, destacou que a medida é uma forma de pressionar os vereadores para a votação do projeto que está na casa. (Ouça o áudio abaixo)

Shorner acrescentou que o Sindicato está tendo dificuldades e resistência por parte dos vereadores da situação sobre a necessidade de maior debate dos projetos encaminhados para a Câmara ( Ouça o áudio abaixo)

E conclui lembrando uma reforma realizada em 2018 quando a diretoria do ISSEM anunciou que o instituto não teria mais problemas financeiros por muito tempo. No entanto, apresentou déficits naquele mesmo ano e nos seguintes. ( Ouça o áudio abaixo)

PRÉDIO DE 4,4 MILHÕES

Na segunda quinzena de 2018, diretoria do ISSEM e demais autoridades, entregaram a sede própria do Instituto de Seguridade dos Servidores Municipais, em cerimônia que contou com a presença de autoridades, parceiros do Instituto e servidores municipais.

O novo prédio tem dois pavimentos EM área total de 2,3 mil m², divididos em setores administrativos, de atendimento, perícia médica, odontologia e fisioterapia, além de um auditório com capacidade para 150 pessoas.

Segundo a Diretoria, a sede foi inteiramente construída com recursos próprios, oriundos da taxa de administração, e o valor total investido foi de 4,4 milhões de reais.

O Issem se localizava próximo à Prefeitura Municipal, em oito salas alugadas, que segundo a diretoria, não atendia as necessidades do Instituto e tinham alto custo de aluguel.

POLÊMICA NA CÂMARA

O Projeto de lei complementar enviada para a Câmara volta para a pauta dos vereadores nesta quinta-feira. Por pedido de vistas e apelo para a realização de audiência pública, o projeto que altera, revoga e acresce dispositivos à lei complementar municipal nº 217/2018 que dispõem sobre o Sistema de Seguridade Social dos Servidores Públicos Municipais. foi retirado de pauta nas últimas sessões. Há uma expectativa. Na manhã de hoje, direto de Brasília, onde cumpre agenda, o vereador Jeferson Cardozo, fez um desabafo crítico sobre a situação. (Ouça o áudio abaixo)