Polícia Civil instaura inquérito para apurar morte de duas amigas em queda de cachoeira em SC

(Foto: Redes sociais/Reprodução)

A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar as circunstâncias das mortes de duas amigas de 18 e 19 anos após cair em uma cachoeira com cerca de 30 metros no fim de semana.

O corpo de Bruna Vellasquez foi sepultado na tarde de segunda-feira (14). O sepultamento de Monique Medeiros ocorreu na manhã desta terça-feira (15) também em Lages, na Serra catarinense.

Nas redes sociais, amigos e familiares lamentaram a morte delas. Bruna Rafaela Vellasquez, de 18 anos, foi sepultada no cemitério Nossa Senhora da Penha, no bairro Penha em Lages. Ela ia completar 19 anos no fim deste mês.

Já o corpo de Monique Medeiros de Almeida, de 19 anos, foi sepultado no cemitério municipal do bairro Guarujá em cerimônia acompanhada por familiares e amigos próximos no fim da manhã desta terça. Ela era estudante do curso de Enfermagem da Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac) e estava na segunda fase da graduação.

As duas caíram da cachoeira de Salto Rio Caveiras no fim da tarde de domingo (13). Uma delas teria escorregado e a outra, ao tentar ajudar, acabou caindo também, conforme informou o Batalhão de Aviação da Polícia Militar, que atendeu a ocorrência. Não foi detalhado qual delas teria caído primeiro.

Como o local é procurado por visitantes e acessado por trilha em uma área particular. Havia mais pessoas no local quando elas caíram, mas a polícia ainda não sabe se elas estariam junto de algum grupo ou não.

“Talvez isso seja o mais importante porque a partir da conclusão de como ocorreu o acidente, suas causas e consequências, pode sim restar responsabilização criminal. Ainda estamos apurando quem estaria em companhia das jovens e quais suas condutas”, explicou o delegado Raphael Quagliato Bellinati, responsável pelo caso.

A investigação está sob responsabilidade da 3ª Delegacia de Polícia Civil em Lages, onde foi registrado boletim de ocorrência e instaurado o inquérito. A hipótese de crime não é descartada, apesar de os indícios apontarem para acidente e, por isso, é necessário apurar os fatos, reforçou o delegado regional de Lages, Fabiano Schmitt.

“Não obstante os elementos indique para uma fatalidade, por outro lado, quando ocorre a morte violenta, que é a morte que não decorre de morte natural, a Polícia Civil tem por praxe formalização da investigação e averiguar se de fato houve alguma ilicitude ali”, explicou o delegado regional de Lages.

Queda e resgate difícil

De acordo com a prefeitura de Lages, o Salto Rio Caveiras é procurado na cidade pela bela paisagem, mas possui áreas de visitação proibida. Segundo os socorristas informaram domingo (13), o local onde ocorreu a queda é de acesso proibido, mas recebe visitantes, especialmente quando está calo. A cachoeira estava com pouco volume por causa da estiagem em Santa Catarina, mas chega a ficar com todas as pedras cobertas de água em período de chuva.

As jovens despencaram de cerca de 30 metros de altura e caíram sobre as pedras em um local de difícil acesso. Por isso, o helicóptero da Polícia Militar foi utilizado para auxiliar a equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) no resgate.

Quando os socorristas chegaram, Bruna já estava sem vida. Monique sofreu ferimentos graves, foi colocada em uma maca e içada até um campo, onde foi levada de ambulância até o hospital Tereza Ramos, em Lages. No entanto, ela não resistiu aos ferimentos e morreu ao dar entrada na unidade de saúde.

Após o resgate de Monique, os socorristas do Samu voltaram na cachoeira com auxílio do helicóptero da PM para resgatar o corpo de Bruna.

Com informações do G1 SC