Caciques do MDB descartam Antidio e Dário e esperam por filiação de Moisés


Em reunião-almoço nesta semana capitaneada pelos atuais caciques do MDB, Paulo Afonso Vieira e Eduardo Pinho Moreira, com os deputados do partido na Assembléia, bateu-se o martelo pela campanha de esforços para que Moisés defina sua filiação no partido e anuncie  sua candidatura pelo MDB ao governo do estado. Seguindo interlocutores, presentes no encontro, os nomes de Antídio Lunelli, Dário Berger e Celso Maldaner estão fora de cogitação e definitivamente descartados.

A decisão depende só de Moisés. No entanto, o governador, numa demonstração de ingenuidade, estaria acreditando que poderia ter ao apoio de MDB e PP se estivesse num partido menor, como o AVANTE, em claro desconhecimento da história política catarinense de MDB e PP, oriundos de velhas rixas entre o  partidão e a ARENA.

Após a reunião, fontes da RBN destacaram que a conclusão é de que Dário deve sair do partido para ingressar no PSB, Celso Maldaner deve deixar a presidência pelas “trapalhadas” cometidas ao longo da gestão e Antidio, que não caiu na simpatia das grandes lideranças emedebistas, poderia até ficar no partido sem ser candidato, ou também poderia estar migrando para outra sigla.